Letícia do 9º ano do Colégio Liceu Barretos é a 4ª colocada entre 13.293 inscritos para o Concurso de Redação do Hospital de Amor

  • Post category:Sem categoria

Orientada pela professora Maria Aparecida Balduino Távora, a aluna Letícia Colugnati Del Bianco do 9º ano do Colégio Liceu, participou do IX Concurso de Redação promovido pelo NEC – Núcleo de Educação em Câncer do Hospital de Amor e Secretaria da Educação do Estado de São Paulo- SEDUC-SP, cujo tema foi “Vacina – uma dose de amor – da ciência para a humanidade” e recebeu um tablet na cerimônia de premiação que aconteceu nesta quarta-feira, dia 27/10 no Centro de Mídia da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo – SEDUC-SP

O concurso contou com a participação de 70 diretorias de ensino, 441 escolas estaduais e 4 particulares de Barretos, 722 professores envolvidos e 13.293 inscritos, sendo que a Letícia foi a única finalista da cidade de Barretos.

O corpo acadêmico do Colégio Liceu parabeniza os professores e alunos que participaram desse concurso e em especial, a aluna Letícia C. Del Bianco, pela belíssima redação apresentada.

Título: Vacina sim, para si e para o outro

A vacina é um assunto recorrente no mundo, principalmente no momento de pandemia que estamos vivendo agora. Nessa discussão, há dois polos, os que são a favor e os que são contra. Os movimentos antivacinas existem há muito tempo, um exemplo, foi a revolta da vacina, no período da República Velha. O que não se pode negar foi o salto que a ciência deu ao lançar a vacina em tempo recorde e se tornar a esperança da cura dessa pandemia.


Mesmo constando a ausência de medidas governamentais para conscientizar a população da sua importância, o que vai contra os ideais de John Locke da violação do “Contrato Social”, já que o Estado não cumpre sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de seus direitos, como a saúde; além disso, é fundamental apontar as Fake News como impulsoras da desconfiança das pessoas quanto da vacina. Ainda assim, a ciência bravamente continuou suas pesquisas e mostrou sua experiência junto as sérias instituições Butantã e Fio Cruz.


Felizmente, há evidências de que a comunidade científica e a grande maioria da população são a favor das vacinas e se baseiam nas conquistas; várias doenças causando morte hoje são evitadas com elas, um exemplo é o surto de sarampo em 1956, que teve diminuição significativa em 1992 com a campanha de vacinação.


Conclui-se, então, a importância de campanhas como “Quem é Sênior, vacina” e concursos de redação como este, envolvendo o tema e os jovens. Vacinar é um ato de amor e além de nos proteger, protegemos o próximo.

Deixe um comentário